Equilíbrio

Patricia Loison: "Engajar-se com o Plan é uma maneira de devolver o que me foi dado"

Patricia Loison tornou-se uma das estrelas da França 3: depois de tomar as rédeas de "não deve sonhar", hoje ela apresenta o Grand Soir 3. Ela retorna em sua viagem à Índia, seu país de origem, como embaixador do Plan International.

Por que você decidiu apoiar esta ONG?
Patricia Loison. Estou em um momento da minha vida em que quero agir, me envolver em uma causa que me convém, dar meu tempo e minha pessoa. Deve ser a crise da meia idade! Eu não quero mais ser apenas um transmissor. Sou muito sensível ao direito à educação, especialmente para meninas nos países em desenvolvimento. A causa das crianças me toca particularmente. Eu nasci em Nova Delhi, fui colocado em um orfanato por uma "mãe-filha" e adotado, com seis meses de idade, por um casal francês. Gostei imediatamente da abordagem da Plan International, que confia nos locais de todos os países. Envolver-se com eles é uma maneira de devolver o que me foi dado. Se eu não tivesse sido ajudado, não estaria aqui hoje.

Você já voltou a Delhi?
Sim, uma vez, para o trabalho, em 2009. Segui uma viagem de Nicolas Sarkozy. Aproveitei a oportunidade para ir ao orfanato que me reunia, mas não tive grande revelação. Eu não poderia ter informações sobre minha mãe porque meu arquivo tinha desaparecido durante uma monção. A irmã me disse que cheguei tarde demais! Eu mantive tudo à distância até que me tornei mãe. A maternidade me trouxe de volta, não sem dificuldades, para minha própria história. Hoje, são minhas filhas (8 e 13 anos de idade, ed) que absolutamente querem vir e ver o país de sua mãe. Eles são muito sensíveis ao que aconteceu comigo, especialmente o pequeno. Pessoalmente, não tenho certeza se estou pronto para fazer esta viagem em família, mas virá.

O que você esperava desta primeira viagem?
Eu queria, e preciso, acho, confrontar a realidade. Enfrentar essa miséria que certamente corresponde - mesmo que não tenha certeza - aos primeiros meses da minha vida e, portanto, assumir minha própria história. Eu queria ver como essas pessoas vivem, se mantêm, esperam. Foi uma onda de choque. Os olhos das crianças chateadas, ainda mais quando você é pai ou mãe.

O que mais te marcou?
As pessoas incríveis que conhecemos. Eu acho, por exemplo, o diretor do primeiro centro. Ele tinha uma palavra gentil para todas as crianças. Ele luta todos os dias para oferecer boas condições de educação. Fiquei então chocado ao ver, na delegacia, que esses policiais ajudam crianças de rua, inclusive emprestando-lhes o pátio da delegacia de polícia. Não vai mudar a vida deles da noite para o dia, mas achamos que já era importante que eles tivessem um lugar seguro para ir. Os alunos também inspiram admiração. Eles chegam às crianças como outras pessoas fizeram por eles no passado. Estes são modelos reais. Fui tocado pela energia e dedicação de todas essas pessoas. Vendo pessoas que fazem o mundo seguir o caminho certo, é bom. Eles me deram fôlego, otimismo. E trouxe de volta aos fundamentos da vida.

Para ler, o relatório da ONG:

Trabalho Infantil: 48h com uma ONG em Delhi

Assista ao vídeo: Patricia Loison (S07-EP152)

Publica√ß√Ķes Populares

Categoria Equilíbrio, Próximo Artigo

Como eu superei meu medo de amar?
Equilíbrio

Como eu superei meu medo de amar?

Marlène, 53 anos. Um amigo me convidou para jantar com alguns amigos, incluindo Pascal, um cara legal, nada do meu tipo. Ele me acompanhou. Eu não sei porque, eu caí em seus braços. Uma imensa necessidade de amor insatisfeito, com certeza. Nós fizemos amor com doçura. De manhã, ele foi para casa.
Leia Mais
Recuperação do sono Semana 1/4: notamos tudo
Equilíbrio

Recuperação do sono Semana 1/4: notamos tudo

Semana 1: Anote tudo As dicas dos outros n√£o correspondem necessariamente. Para encontrar o seu, comece a manter um livro do sono, a √ļnica maneira de determinar seu ritmo atual, com suas falhas e erros. Todas as manh√£s, reserve alguns minutos para fazer um balan√ßo da noite anterior respondendo √†s perguntas a seguir.
Leia Mais